LESÕES DE SOBRECARGA DA COLUNA NO BTT

Qual o atleta que nunca sofreu de dores na coluna em treino ou competição? Este segundo artigo de lesões de sobrecarga serve para elucidar sobre a considerada segunda causa mais comum deste tipo de lesões, bem como sobre a sua prevenção e tratamento.

Por Dr. Gonçalo Barradas (Médico Pós-Graduado em Medicina Desportiva e Médico de Futebol no Grupo Desportivo Estoril Praia)

 

Na sequência do primeiro artigo sobre o joelho, e continuando a falar de lesões de sobrecarga, o pescoço é o segundo local mais comum.

Estão presentes em cerca de 60% de todos os praticantes. É frequente desenvolver, ao nível da região do pescoço, os chamados “trigger points” (pontos gatilho). Os “trigger points” são nódulos sensíveis e palpáveis que podem produzir dor local ou à distância.

Estes podem ter várias causas, entre elas, as posturas forçadas, sobrecarga na musculatura, traumas, próprio stress, frio, calor ou mesmo a falta de nutrientes. A maioria destes pontos provoca dores de cabeça, no pescoço e na zona lombar. Normalmente os músculos mais afetados são os músculos elevador da escápula, os músculos esplénios da cabeça, os trapézios, os esternocleidomastoideus, os infraespinhosos, os supraespinhosos e os músculos rombóides.

Causa: A maioria das cervicalgias é causada pelo aumento da força posta nos braços e nos ombros para suportar o praticante, bem como a hiperextensão do pescoço na sua postura horizontal na pedalada.

Erros comuns no “bike fit”: Banco demasiadamente para trás, tubo horizontal do quadro demasiado longo, distância incorreta entre o guiador e o banco.

As cervicalgias, lombalgias e dorsalgias podem afetar qualquer atleta que treine regularmente. Por isso é importante estar informado sobre estas lesões.

 

Leia aqui o artigo na sua totalidade – Fonte Bikes World